Timeline em construção

2015
05/11/2015

Rompimento da Barragem de Fundão, no subdistrito de Bento Rodrigues, município de Mariana/MG, causando a morte de 19 pessoas e o derramamento de mais de 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério na natureza, contaminando a bacia do Rio Doce, nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, alcançando o litoral brasileiro.

06/11/2015

Os rejeitos chegam à Usina Hidrelétrica Risoleta Neves, conhecida como Usina de Candonga, bloqueando o extravasamento de boa parte dos rejeitos, que permanecem armazenados até hoje.

10/11/2015

Em 10 de novembro de 2015, foi registrado no município de Tumiritinga o início da passagem da pluma de rejeitos e sedimentos resultante do rompimento da barragem de Fundão. Na mesma data, em 10 de novembro de 2015, devido à elevação da turbidez da água do rio Doce, a COPASA alterou a fonte de captação do sistema de abastecimento de água da localidade Sede do município de Tumiritinga, com o objetivo de minimizar os impactos do rompimento da barragem de Fundão.

11/11/2015

Os rejeitos chegam no município de Galiléia/MG, provocando a paralisação do sistema de abastecimento de água da região. A documentação fornecida pela SAAE informa que a Cidade ficou sem abastecimento de água por 32 dias.

16/11/2015

Ministério Público Federal – MPF e Ministério Público do Estado de Minas Gerais – MPMG firmam o Termo de Compromisso Preliminar com a Samarco Mineração S/A estabelecendo caução socioambiental de R$ 1 bilhão para garantir custeio de medidas preventivas emergenciais, mitigatórias, reparadoras ou compensatórias mínimas. Na mesma data, foi assinado Termo de Compromisso Socioambiental (TCSA) preliminar e emergencial entre Ministério Público Federal – MPF, Ministério Público do Trabalho – MPT e Ministério Público do Estado do Espírito Santo – MPES com a Samarco Mineração S/A visando a proteção dos direitos das populações e de trabalhadores e trabalhadoras atingidos pelo rompimento. 

04/12/2015

Assinado o primeiro Aditivo ao Termo de Compromisso Socioambiental (TCSA), onde previu-se que a mineradora Samarco S/A garanta renda mínima a pessoas atingidas pelo rompimento, além da elaboração de plano de identificação, manutenção de renda e amparo de todas as pessoas que exerciam atividades econômicas vinculadas ao Rio Doce e seus afluentes.